Igreja sede: Rua Osvaldo Cruz, 330 - Bairro Forquilhinhas - São José - SC
Congregação Prainha : Morro do governo, 436 - Bairro Prainha - Florianópolis - SC
Contatos / informações : ibforquilhinhas@hotmail.com

terça-feira, 22 de julho de 2014

O fim de todas as escatologias

Por
R.C.Sproul Jr.

No País das Maravilhas, quando Alice chegou a uma encruzilhada, ela olhou em volta procurando ajuda. Em uma árvore próxima estava um sorriso. Apenas um sorriso. Porém, logo apareceu o corpo completo do Gato de Cheshire. Alice perguntou ao gato que caminho ela deveria tomar. O gato lhe perguntou para onde ela estava indo. Alice explicou a ele que não tinha nenhum destino em particular, e então o gato disse palavras de sabedoria: “Então não importa”.
Se não estamos indo para lugar nenhum, não existe caminho errado. Você só pode se perder se você tem um destino. É por isso que a escatologia é importante. Quando entendida corretamente, a escatologia, o estudo das últimas coisas, é o estudo de para onde estamos indo.
O problema mais frequente é quando nos achamos caminhando numa estrada sem saída, porque nos distraímos com as placas no caminho. Nós acabamos discutindo sobre onde estamos ou onde quase estamos, e no fim das contas perdemos de vista o real objetivo da história.
A Bíblia fala de um milênio. Ela o faz em meio a uma peça profundamente difícil de literatura inerrante — a Revelação de João, o livro do Apocalipse. E tudo o que a Bíblia ensina é compreensível. Deus não perde o tempo dele ou o nosso nos contando coisas que são impossíveis para a nossa compreensão. Então, há uma visão sã do milênio que é bíblica, cognoscível e valiosa. Nós devemos buscar afirmar e compreender essa visão.
O milênio, contudo, não é o fim, em nenhum sentido da palavra. Ele não é a razão para todas as coisas; nem é a última de todas as coisas. Portanto, ele não deveria nos dividir e separar profundamente.
Algumas visões declaram que estamos no meio do milênio, que esse termo se refere ao tempo entre a ascensão de Cristo e o seu retorno. Algumas visões afirmam que o mundo crescerá progressivamente em perversidade, e então Jesus retornará para governar por mil anos. Outros ainda afirmam que o mundo crescerá progressivamente em fidelidade à Palavra de Deus, para que desfrutemos de uma era de ouro de mil anos antes da volta de Jesus. De fato, são visões muito diferentes sobre o milênio.
Mas você notou o que cada uma dessas visões têm em comum? Qualquer posição que alguém possa tomar, no final, todos concordamos em uma coisa: Jesus vence. Quando a história chegar ao fim, todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é Senhor. Quando a história chegar ao fim, todos os seus inimigos terão sido colocados por estrado dos seus pés. Quando a história chegar ao fim, não haverá mais lágrimas, nem doença, nem morte. Quando a história acabar, aquilo que agora somos chamados a buscar, o reino de Deus, será consumado. Aquilo que buscamos será encontrado em toda a sua glória, em toda a sua plenitude.
Há, contudo, mais um passo antes do fim, uma parte da história que estamos acostumados a negligenciar. O fim real, o fim verdadeiro, não se encontra nos capítulos finais de Apocalipse, mas na primeira carta de Paulo à igreja em Corinto, capítulo 15. Lá nós lemos: “E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder” (v. 24). O fim é quando o Filho, após trazer todas as coisas sob a sua sujeição, entrega o reino ao seu Pai. Então, o segundo Adão, tendo completado o chamado dado ao primeiro Adão de encher e sujeitar a terra, entregará de volta ao seu Pai a criação que havia sido colocada sob nossa mordomia.
Como podemos esquecer disso? Como a nossa história deixou de fora esse grande clímax? O Filho devolve o reino ao Pai. Devemos chegar a compreensão disso, pois é exatamente essa gloriosa verdade que inspira os nossos trabalhos aqui e agora. O reino que primeiro buscamos é o mesmo reino que o Filho devolve ao Pai. Nossos trabalhos no presente, enquanto refletem e fluem do nosso comprometimento com o reino de Cristo, não importa o que aconteça entre hoje e o fim, sobreviverão. Nossa obra importa para a eternidade. Ou, como um sábio teólogo se inclina a descrever, o agora conta para sempre.
Nossos esforços, nossos trabalhos em criar nossos filhos na educação e admoestação do Senhor, em chamar os eleitos dos quatro cantos da terra, de tomar o pó de Deus e moldá-lo em objetos, não é apenas buscar o reino, mas manifestá-lo. Não é o que fazemos enquanto esperamos pelo fim, nem o que fazemos para fazer acontecer a nossa visão favorita do milênio. Mas o que fazemos para mover a história para o fim do fim, o Filho devolvendo o reino ao Pai.
E isso, é claro, também é o princípio do princípio. A partir dali, nós desfrutaremos do verdadeiro e eterno Monte Sião — na Nova Jerusalém — a própria presença do Deus vivo. Nós participaremos da visão beatífica, contemplando a sua glória. Nós conhecemos o fim, tanto o propósito quanto o objetivo da história — Jesus vence para a glória de Deus. E pela sua graça, ele nos leva com ele. Essa é a nossa razão de viver e a nossa esperança ao morrer.

Tradução: Alan Cristie
Fonte: www.ministeriofiel.com.br